domingo, março 12, 2006

Diz-se nos corredores do poder

 

O documento deverá vir a público nos próximos dias. Uma fonte bem colocada na arrecadação do Palácio das Necessidades revelou que Freitas do Amaral, em nome do respeito e tolerância pelas diversas religiões, pretende esclarecer os "ignorantes" que não o entendem e evitar que um problema como o das caricaturas ocorra em solo português. Para esse efeito, o ministro elaborou ele mesmo uma lista de recomendações que será apresentada aos restantes membros do governo em sede de Concelho de Ministros. Segundo a dita fonte, Alberto Segismundo, que por motivos de segurança será chamado Jardineiro X, o documento contém os seguintes três pontos:

1) Proibir todas as representações antropomórficas do deus abraamico, por desrespeitar as religiões judaica, cristã e muçulmana, as quais condenam a idolatria e proibem representações figurativas da entidade divina. Caricaturas, obras de arte, episódios do Family Guy ou até desenhos de crianças que representem o mesmo deus como um homem, uma mulher ou ainda um ser assexuado passam a ser expressamente proibidas. Os filmes Dogma e o Santo Graal dos Monty Python deverão ser censurados.

2) Promover o respeito pelas vacas, animal sagrado para os hindus e que, como tal, não deverá ser objecto de provocações e desrespeito por ignorantes. Será proibida qualquer caricatura sua, o termo ofensivo vaca! deverá ser substituido por tu-de-sino-ao-pescoço! e a doença das vacas loucas passará a ser referida por mal-de-quem-tem-cornos. Além disso, as marcas de productos lácteos e afins que utilizam vacas nos seus logotipos serão fortemente aconselhadas a mudar de símbolo e o governo português deverá emitir um pedido de desculpas formal à India pelo programa televisivo A Vaca Cornélia.

3) Proibir o uso de hábitos sacerdotais ou monacais, masculinos ou femininos, em todas as festas de carnaval e bailes de máscaras, uma vez que reduz símbolos religiosos a meros objectos de brincadeira e folia. A expressão popular É carnaval, ninguém leva a mal! deverá ser substituida por É carnaval, mas se brincares com religiões 'tá-se mal! e quem se mascarar de freira grávida com um cartaz a dizer «Não matem o Zezinho!» deverá ser imediatamente preso. Todos os portugueses que alguma vez se mascararam de padres, bispos, freiras, mullahs, ayatollahs, bramanes, monges cristãos ou budistas, Jesus, Maomé, Maria, Buda, Shiva, Santo António ou São Sinfrónio de Milagre às Costas deverão escrever pedidos de desculpas aos representantes das comunidades religiosas desse modo ofendidas.

Jardineiro X referiu ainda que Freitas do Amaral pondera em decretar que Lisboa foi conquistada à Alemanha nazi e não aos mouros, de modo a não ofender a comunidade muçulmana, mas o seu gabinete tem tido dificuldades em conseguir harmonizar a proposta com os registos históricos. É de esperar mais desenvolvimentos nas próximas semanas.

Fonte: Agência Blusa

6 Comments:

Blogger papoilasaltitante disse...

LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL Ri que nem uma perdida com este post!! como sempre pertinente caro rapaz do helicóptero!!!
DEMAIS!!!
Não queres enviar para um certo jornal cá do burgo????? Heheheheh

9:06 da tarde  
Blogger pedro disse...

Relaxa e não sejas radical...

O sol já brilha bem forte em Lisboa, e isso é mais importante do que tudo.

Um abraço.

10:13 da tarde  
Blogger Heliocoptero disse...

Radical? Onde? Perdeste o sentido de humor ou quê? Não és capaz de ver as criticas para lá das piadas ou vivemos no "maravilhoso" mundo dos dogmas?

11:26 da tarde  
Blogger Rita disse...

Porque é que eu não me lembrei dessa máscara de freira no ano passado.... para o próximo carnaval, vou passear-me em Lisboa com ela até ser perseguida por beatas frígidas e reprimidas e aparecer no telejornal!! Mi aguardi!
jinhos*** SAI DA TOCA!LOL agora ninguém te vê!

9:21 da manhã  
Blogger Rita disse...

Ah, e aproveito para vir aqui dizer que apesar de tudo eu também sou contra o aborto, acho que dava um péssimo primeiro ministro e ainda bem que não ganhou as eleições e se retirou da liderança do PP.

9:25 da manhã  
Blogger João Dias disse...

Acho inaceitável não ter aproveitado e criado uma legislação que penalizasse a masturbação masculina por desrespeito à vida, aglomerando isso com o genocídio de milhões de espermatozóides o indivíduo seria executado em praça pública. Em praça pública claro, em respeito por algumas boas tradições do Islão.

P.S. Hilariante este artigo.

1:23 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home