terça-feira, abril 11, 2006

Sabes que estás na Suécia quando...

 

Agora que estou a menos de dois meses do regresso a casa, já sem aulas, apenas a trabalhar na tese e já a preparar a primeira mala para enviar de volta a Portugal, é talvez altura de começar a resumir muitas das coisas que mais me marcaram por terras suecas. Vai daí, com a ajuda de umas quantas dicas da Rita, fiz a lista de trinta pontos que se segue.

Atenção que há que ter em conta que ela deriva apenas da experiência pessoal de um estudante português numa cidade sueca: dela não se deve concluir que a Suécia não tem problemas, que tudo o que eu digo em relação a Uppsala se aplica ao resto do país e que outros países também não têm características semelhantes ou mesmo idênticas. Dito isto, cá vai:

Sabes que estás na Suécia quando...

1) …está a nevar, sais à rua a gritar de contente e os nativos olham para ti com cara de espanto;

2) …é normal os peões terem prioridade sobre os carros e as bicicletas sobre os dois;

3) …perguntas onde é que é o posto dos correios e respondem-te que não há porque que toda a gente passou a usar o correio electrónico (eu juro que me disseram mesmo isto!);

4) …assustas-te com o preço exorbitante que a comida consegue atingir;

5) …vais à maior parte dos museus sem pagar à entrada e não é por engano, por teres menos de 26 anos ou por seres estudante: é mesmo de graça!

6) …um casal de lésbicas beija-se apaixonadamente na rua ou num autocarro cheio de gente e não há piropos, olhares de lado, ofensas verbais ou outras barbaridades;

7) …uma rapariga distribui preservativos à porta de um jantar para estudantes recém-chegados enquanto conversa calmamente com uma outra que é padre da Igreja nacional;

8) …a mesma mulher-padre apresenta o gabinete de apoio religioso da universidade, seguida de uma representante da organização local de estudantes gays: sem crispações, sem boquinhas, sem criticas ao modo de vida de cada um.

9) …não tens que pagar propinas para estudar na universidade, seja em que grau académico for;

10) …o teu professor dá as aulas de calças de ganga, t-shirt e chinelos ou então de ganga, sapatilhas e com um piercing na sobrancelha e ninguém o critica ou lhe retira mérito por isso. O conteúdo não se avalia pela embalagem;

11) …o teu colega de turma tem o cabelo comprido até meio das costas, veste sempre roupa preta, usa espigões e botas de biqueira de aço (enfim, todos os clichés de gótico-metaleiro) e ninguém o menospreza ou “aconselha” a usar outra roupa nas aulas;

12) …qualquer nação (clube) de estudantes organiza festas gays abertas a toda a gente todos os meses;

13) …é normal as pessoas irem nos autocarros públicos com os cães ao colo sem o mínimo sinal de protesto da parte de outros passageiros ou do condutor;

14) …a maioria das pessoas janta às seis da tarde e perguntam-te se estás a fazer um petisco tardio quando preparas o teu jantar às nove horas;

15) …é normal um restaurante ter um menu vegetariano que vá para além da simples salada;

16) …é normal perguntarem-te se queres o prato vegetariano cada vez que te inscreves num jantar de curso ou de estudantes;

17) …esteja a nevar ou não, faça chuva ou faça sol, é fácil encontrar raparigas com roupa minimalista e sempre prontas para o “ataque”: a expressão «carne para canhão» ganha muito sentido na Suécia;

18) …o número de aulas que tens por semana conta-se pelos dedos de uma mão e ainda sobra. O aluno é considerado responsável por ele mesmo, logo deve ter o mínimo de aulas para poder ter o máximo de horas de estudo e pesquisa em casa, nas bibliotecas, nos arquivos, nos laboratórios, etc.

19) …a tua biblioteca universitária tem milhares de livros noutras línguas que não o sueco, incluindo alguns em português que seria difícil ou mesmo impossível encontrar na tua universidade em Portugal;

20) …vais na rua e tens a ligeira impressão que estás a passar pelo meio de uma passerelle;

21) …vais a entrar num bar, pedem-te para fazer o teste do balão (sim, ao entrar) e dão-te tampões para os ouvidos com um folheto sobre doenças auditivas;

22) …descobres que não há esquentadores e os fogões são todos eléctricos. Em Portugal andámos feitos parvos às voltinhas com o gás natural, na Suécia foram espertos e deram um passo mais à frente;

23) …queres comprar bebida acima dos 5% de volume de álcool e tens que ir a uma loja específica para o arranjar (e onde és capaz de ter que pagar com’ó caneco);

24) …vais a passear num dos muitos espaços verdes da cidade e vês um esquilo ou um coelho a passar à tua frente;

25) ...confundes o cemitério com um jardim público: centenas de árvores, canteiros, bancos para te sentares, espaços relvados e coelhos a passear fazem toda a diferença em relação à “Quinta das Tabuletas” portuguesa;

26) …um agricultor tem formação suficiente para falar pelo menos uma língua estrangeira e participar em conferências, seminários e grupos de trabalho científicos (nomeadamente nas áreas de biologia e energia);

27) …trabalhas numa das nações (clubes) de estudantes e dizem-te que antes de entrares na arrecadação deves escutar ou bater à porta: há sempre o risco de alguém estar a ter sexo lá dentro (a sério que disseram isto à Rita!);

28) …as estufas na faculdade de biologia são geridas via computador por um único homem de 75 anos de idade (experimentem fazer isto em Portugal);

29) …pelo menos uma boa parte dos estudantes desloca-se até à universidade a pé, de autocarro ou de bicicleta: mesmo os suecos residentes não tendem a exibir a mota ou o carro que os pais lhe compraram. Quando muito exibem a bicicleta…

30) …falar em dificuldades de estacionamento equivale a dizer que não tens lugar onde deixar a bicicleta (e não o carro): dá para ter uma ideia da composição do tráfego nas estradas e passeios de Uppsala.

7 Comments:

Blogger Rita disse...

Mais umas que me lembrei:

- Ao fim de 3 meses ouves 1 apitadela de um carro na rua e percebes que já não as ouvias desde que vieste de Lisboa;

- Podes andar com a roupa que quiseres que nenhum tarado te bichana comentários porcos;

- Os pais não gritam com as criancinhas na fila do supermercado;

- Podes andar na neve nu, mas tens que usar pelo menos MEIAS para não ficares com os pés colados ao chão;

- -10 graus é frio. 0 graus já é o quentinho a vir....

9:30 da tarde  
Blogger Rita disse...

esqueci-me de uma muito importante:
-É MAIS BARATO ANDAR DE AVIÃO DO QUE DE COMBOIO OU AUTOCARRO!

9:30 da tarde  
Blogger papoilasaltitante disse...

LOOOOOOOOOOOL é outro mundo amigo!! claro que também tem defeitos, não tem solinho..etc. Mas é outro mundo. Algumas coisas bem podiamos aprender com eles não era?
Cheira-me que ainda vais ter saudades disso.
Beijos grandes

9:40 da manhã  
Blogger Nena disse...

Se tivesse este sol, mudava-me para aí.

Está um dia glorioso de Primavera :)
beijos

11:15 da manhã  
Blogger claud10 disse...

Quando passei 1 mes na alemanha tb pensei "isto sim é um país", mais tarde percebi que sao apenas diferentes de nós, mas não superiores como de inicio julguei.
Organizados? Civilizados? Sim muito! Calor humano como nós? Latinos como nòs?... pois. mas o que quero mesmo e mandar um abraço enorme ao javali e mandar daki o agradecimento por mais um ano ter direito aos bolos de natal que segundo a minha mae " estão melhores de ano para ano"! abraço.

11:55 da manhã  
Anonymous Roteia disse...

Heliocoptero: Deliciei-me com a descrição. Isso aí nem é bem outro país, é outro planeta.
Nós por cá (na ultraperiferia), a discutir o excesso de carros nos centros históricos das nossas cidades...
Então e quando regressares? o "Na Escola em Upsalla" acabará, e o que se segue? Esperamos notícias depois.

12:10 da tarde  
Blogger Heliocoptero disse...

Roteia, quando eu regressar o "Escola em Uppsala" deixa de ser actualizado (não tenho intenções de o apagar) e volto a usar o "Coroas de Pinho", o meu blogue original e que está parado desde que vim para cá.

Eu agora já não descolo da blogosfera ;)

2:27 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home